Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Cientistas europeus querem que gado emita menos metano

Mäyjo, 04.12.14

Cientistas europeus querem que gado emita menos metano

Um consórcio de várias universidades europeias, entre as quais a Universidade de Nottingham (Inglaterra) a Universidade Católica do Sagrado Coração de Picenza (Itália) e a Agrifood Research Finland (Finlândia) está a trabalhar num projecto para tentar descobrir um tipo de animal que produza a mesma quantidade de leite mas emita menos gás natural na sua digestão.

Esta espécie de vaca de baixo metano pode estar ligada à genética e dieta do animal. “Acreditamos que a genética possa influenciar este aspecto. Mas essa ligação ainda não foi provada e estamos na fase de recolha de dados”, explicou Lorenzo Morelli, microbiólogo e director da faculdade de agricultura da Universidade Católica do Sagrado Coração, em Piacenza.

Morelli acredita que o gado de baixo metano possa ser mais produtivo: “O metano é uma energia perdida, que pode ir para a produção de leite. Se conseguirmos encontrar a combinação certa, descobriremos animais que são menos poluentes, mais produtivos e mais lucrativos para seus criadores,” explicou o responsável ao Eurasia Review

Segundo Phil Garnsworthy, cientista da Universidade de Nottingham, a dieta dos animais pode ser melhorada para os levar a emitir menos metano. É também este o objectivo do consórcio, denominado RuminOmics.

O metano surge de um processo natural: as vacas comem erva, silagem e feno, digerindo estes alimentos co uma gama de micróbios dos seus estômagos e produzindo o gás através da flatulência. Este gás é 20 vezes mais potente que o dióxido de carbono de um período de 100 anos.

Por outro lado, cerca de um quinto dos gases de estufa produzidos pela agricultura são directamente libertados dos estômagos das vacas e bois. Segundo o Planeta Sustentável, oRuminOmics começou uma pesquisa sobre todos os aspectos da criação dos animais, na tentativa de baixar a produção de metano sem prejuízo para a de leite.

Foto: horrapics / Creative Commons

Transgénicos: a destruição da biodiversidade e da soberania

Mäyjo, 31.10.14
Imagem obtida aqui
No Ano Internacional da Agricultura Familiar (e sempre), é preciso ajudar as pessoas a perceberem a destruição que os transgénicos causam à agricultura familiar, à biodiversidade e à soberania alimentar. A "Segunda Revolução Verde", como lhe chama Vandana Shiva (no vídeo), liderada pela ambiciosa e perigosa multinacional Monsanto, é a antítese da agricultura familiar.
 
A ONU já comprovou que a agricultura familiar é a única que pode fazer frente à pobreza. Por outro lado, a agricultura dos transgénicos e dos agroquímicos irá agravar o fosso entre ricos e pobres, acabar com a soberania alimentar dos povos.

 

ONG expulsa pescadores de baleias da Antárctida

Mäyjo, 16.09.14

ONG expulsa pescadores de baleias da Antárctida

A organização não-governamental (ONG) Sea Shepherd expulsou o navio japonês Nisshin Maru (na foto) da área protegida pelo Tratado Antárctico – interrompendo a captura irregular de baleias neste continente.

 

Com três navios e cerca de 100 activistas, a ONG perseguiu o navio japonês durante 580 quilómetros. “Num dia e meio levámos toda a frota de pesca de baleia ao caos”, explicou Siddharth Chakravarty, capitão de um dos barcos da Sea Shepherd, o Steve Irwin.

 

A Sea Shepherd informou ainda que vai continuar a monitorizar as águas protegidas, para evitar que a frota japonesa capture baleias no Santuário Austral, onde é proibida a captura comercial dos mamíferos.

 

A frota da Sea Shepherd, composta pelos barcos Steve Irwin, Bob Barker e Sam Simon, promove a sua campanha anual contra os pescadores japoneses na Antártica – que desde 1987 caçam baleias alegando fins científicos.

Os seis destinos portugueses na lista dos cem mais valiosos do mundo

Mäyjo, 05.11.13

Ericeira

 

A lista realça a vertente qualidade-preço

Portugal foi escolhido para constar de uma lista de cem destinos masi valiosos do planeta. O país conseguiu ficar em quinto lugar na lista do Trivago e o destaque foi para a Peneda-Gerês, que ficou em nono lugar a nível mundial e quarto a nível europeu.

De seguida surgem Peniche em 59º, Braga em 69º, a FIgueira da Foz em 73, Vila Nova de Milfontes em 86º e a Ericeira em 95º lugar.

Aït-Ben-Haddou, cidade fortificada situada no interior de Marrocos, ocupa a primeira posição do ranking de 2013, sendo assim considerado o destino em que o valor acrescentado por cada euro gasto é maior. Em segundo lugar surge a cidade bósnia de Mostar, na região da Herzegovina e Chora, a principal localidade da ilha grega de Ios.

No conjunto dos cem destinos do ranking, a China é o país com mais referências na lista (8), seguida pela Grécia, Tailândia e Espanha (todas com sete).

 

in: Jornal i